Menu

A última entrevista do Cardeal Martini

Nenhum Comentario

O Cardeal Carlo Maria Martini com muita liberdade e paixão foi pessoa entregue ao serviço da fé, sobretudo voltado aos grande problemas do mundo, com ênfase às situações limites da humanidade. Esteve pele menos duas ou três vezes como um dos candidatos ao papado, e que recebia da maioria dos cardeais, um misto de simpatia, inveja e rejeição, por declarações que lhes pareciam radicais. Traduzia nas grandes assembléias o pensamento dos povos mais empobrecidos, daqueles que sofriam injustiça, e de maneira particular pensando a função de pastoreio como um serviço ao mundo, por causa da fé, na perspectiva de Jesus. Falecido volta à imprensa por sua última entrevista como uma herança a ser conquistada pela Igreja. O IHU retoma sua entrevista última quando ele mesmo sentida que chegava o seu fim. E há consenso acerca da grande fonte inspiradora de sua palavra, a radicalidade vivida do evangelho no mundo, como anúncio do Reino.

Diminuir / Aumentar a letra
NOTÍCIAS » Notícias

Segunda, 03 de setembro de 2012
”A Igreja retrocedeu 200 anos. Por que temos medo?” A última entrevista de Martini
O padre Georg Sporschill, o coirmão jesuíta que entrevistou o cardeal em Diálogos noturnos em Jerusalém, e Federica Radice se encontraram com Martini no dia 8 de agosto: “Uma espécie de testamento espiritual. O cardeal Martini leu e aprovou o texto”. A entrevista é de Georg Sporschill e Federica Radice Fossati Confalonieri, publicada no jornal Corriere della Sera, 01-09-2012. A tradução é de Moisés Sbardelotto.

Eis a entrevista.

Como o senhor vê a situação da Igreja?

A Igreja está cansada na Europa do bem-estar e na América. A nossa cultura envelheceu, as nossas igrejas são grandes, as nossas casas religiosas estão vazias, e o aparato burocrático da Igreja aumenta, os nossos ritos e os nossos hábitos são pomposos. Essas coisas expressam o que nós somos hoje? (…)

O bem-estar pesa. Nós nos encontramos como o jovem rico que, triste, foi embora quando Jesus o chamou para fazer com que ele se tornasse seu discípulo. Eu sei que não podemos deixar tudo com facilidade. Menos ainda, porém, poderemos buscar pessoas que sejam livres e mais próximas do próximo, como foram o bispo Romero e os mártires jesuítas de El Salvador. Onde estão entre nós os nossos heróis para nos inspirar? Por nenhuma razão devemos limitá-los com os vínculos da instituição.

Quem pode ajudar a Igreja hoje?

O padre Karl Rahner usava de bom grado a imagem das brasas que se escondem sob as cinzas. Eu vejo na Igreja de hoje tantas cinzas sobre as brasas que muitas vezes me assola uma sensação de impotência. Como se pode livrar as brasas das cinzas de modo a revigorar a chama do amor? Em primeiro lugar, devemos procurar essas brasas. Onde estão as pessoas individuais cheias de generosidade como o bom samaritano? Que têm fé como o centurião romano? Que são entusiastas como João Batista? Que ousam o novo como Paulo? Que são fiéis como Maria de Mágdala? Eu aconselho o papa e os bispos a procurar 12 pessoas fora da linha para os postos de direção. Pessoas que estejam perto dos pobres e que estejam cercadas por jovens e que experimentam coisas novas. Precisamos do confronto com pessoas que ardem, de modo que o espírito pode se difundir por toda parte.

Que instrumentos o senhor aconselha contra o cansaço da Igreja?

Eu aconselho três instrumentos muito fortes. O primeiro é a conversão: a Igreja deve reconhecer os próprios erros e deve percorrer um caminho radical de mudança, começando pelo papa e pelos bispos. Os escândalos da pedofilia nos levam a tomar um caminho de conversão. As questões sobre a sexualidade e sobre todos os temas que envolvem o corpo são um exemplo disso. Estes são importantes para todos e, às vezes, talvez, são até importantes demais. Devemos nos perguntar se as pessoas ainda ouvem os conselhos da Igreja em matéria sexual. A Igreja ainda é uma autoridade de referência nesse campo ou somente uma caricatura na mídia?

O segundo é a Palavra de Deus. O Concílio Vaticano II restituiu a Bíblia aos católicos. (…) Somente quem percebe no seu coração essa Palavra pode fazer parte daqueles que ajudarão a renovação da Igreja e saberão responder às perguntas pessoais com uma escolha justa. A Palavra de Deus é simples e busca como companheiro um coração que escute (…). Nem o clero nem o Direito eclesial podem substituir a interioridade do ser humano. Todas as regras externas, as leis, os dogmas nos foram dados para esclarecer a voz interior e para o discernimento dos espíritos.

Para quem são os sacramentos? Estes são o terceiro instrumento de cura. Os sacramentos não são uma ferramenta para a disciplina, mas sim uma ajuda para as pessoas nos momentos do caminho e nas fraquezas da vida. Levamos os sacramentos às pessoas que precisam de uma nova força? Eu penso em todos os divorciados e nos casais em segunda união, nas famílias ampliadas. Eles precisam de uma proteção especial. A Igreja sustenta a indissolubilidade do matrimônio. É uma graça quando um casamento e uma família conseguem isso (…).

A atitude que temos com relação às famílias ampliadas irá determinar a aproximação à Igreja da geração dos filhos. Uma mulher foi abandonada pelo marido e encontra um novo companheiro que cuida dela e dos seus três filhos. O segundo amor prospera. Se essa família for discriminada, não só a mãe é cortada fora, mas também os seus filhos. Se os pais se sentem fora da Igreja, ou não sentem o seu apoio, a Igreja perderá a geração futura. Antes da Comunhão, nós rezamos: “Senhor, eu não sou digno…”. Nós sabemos que não somos dignos (…). O amor é graça. O amor é um dom. A questão sobre se os divorciados podem comungar deve ser invertida. Como a Igreja pode ajudar com a força dos sacramentos aqueles que têm situações familiares complexas?

O que o senhor faz pessoalmente?

A Igreja ficou 200 anos para trás. Como é possível que ela não se sacuda? Temos medo? Medo ao invés de coragem? No entanto, a fé é o fundamento da Igreja. A fé, a confiança, a coragem. Eu sou velho e doente e dependo da ajuda dos outros. As pessoas boas ao meu redor me fazem sentir o amor. Esse amor é mais forte do que o sentimento de desconfiança que às vezes eu percebo com relação à Igreja na Europa. Só o amor vence o cansaço. Deus é Amor. Eu ainda tenho uma pergunta para você: o que você pode fazer pela Igreja?

PARA LER MAIS: entre no IHU ONLINE:

03/09/2012 – Martini, um homem que sabia ouvir. Artigo de Elena Loewenthal
03/09/2012 – Concílio Vaticano III: um sonho de Martini
03/09/2012 – Martini, um homem de Deus. Artigo de Vito Mancuso
03/09/2012 – Martini, o homem que podia ser papa. Artigo de Marco Politi
03/09/2012 – ”A abertura de Martini aos não crentes foi um ato de responsabilidade”. Entrevista com Massimo Cacciari
03/09/2012 – Martini e as quatro estações. Artigo de Gianfranco Ravasi
01/09/2012 – Morreu Martini, o bispo do diálogo
01/09/2012 – A morte de Martini, a última lição à Igreja e ao mundo
01/09/2012 – ”Minha última e profunda conversa com Martini”. O depoimento de Angelo Scola
01/09/2012 – Martini e o cristianismo aberto, sofrido e dialogante
01/09/2012 – A ”dura viela” da morte, segundo Martini

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *