Menu

Filosofia I Ano: Subsídios

Nenhum Comentario

Companheiros e companheiras de caminhada…

Foi muito bom ouvir vocês nesta manhã, compartilhando a avaliação, com entusiasmo, acerca do Seminário de Segurança Pública. Ao mesmo tempo que trocávamos nossas percepções, nos movimentamos na direção de enriquecer esta avaliação, e verificarmos pontos que poderiam amadurecer nosso debate.

Alguns pontos foram importantes, o debate acerca da violência, acerca da função de estado do professor, acerca da nossa própria humanização e aperfeiçoamento profissional. O conceito de Estado foi enriquecido,  a partir das pontuações realizadas por vocês que desejo agora colocar alguns pontos que surgiram no debate pela manhã.

A contribuição mais importante vem dos trabalhos que realizamos em vista das políticas públicas pensadas como “função de estado”.  Esta proposição que ouvi de um professor recentemente, colocava pensar nossa função de cidadãos como função de estado, e portanto pública. Lembrando que  nem sempre o estado é público, e nem todo ente tem apenas função privada como costumaos pensar. A função do Estado é toda a função pública, portanto de democratização e cidadania, de qualquer ente. Isso retira a divisão maluca entre estado para um lado, sociedade para o outro. Ou mesmo, haverá uma desqualificação e um desestímulo pra ações importantes realizadas por atos de doação, partilha, inclusive de admnistração conscenciosa de recursos públicos, pois por vezes, as entidades chamadas públicas, com intromissão de certas pessoas da classe política atuam usando recursos públicos com intuito e aplicações privadas e não cidadãs. Neste caso o Estado quando gere recursos públicos cerceando o acesso e restringindo acesso das pessoas empobrecidas, neste caso o chamado “Estado” age contra a democracia e portanto fere sua função política de Estado. Publica é toda a função exercida em favor da participação, da democracia, da transparenete aplicação de recursos para acesso universal, responsável.

No texto abaixo, vocês verão, um texto radical, na perspectiva de um filósofo extraordinário. O texto que já havia produzido há tempos produzido por mim. Nele vocês verão não está formulado exatamente como acima, mas se sublinha o fundamento do que conversamos. A intuição do Filósofo BARUCH SPINOSA: “O Estado somos Nós“” e a não delegação desta função por representação de um outro. O texto foi chamado: Do Inferno Do Mundo (HOBBES) ao Engajamento no poder (ESPINOSA)

Veja antes o vídeo: http://migre.me/crxam


Clique aqui:

O Poder econômico tem relação direta com a política:

Clique aqui

A violência tem alimentado a violência e ela é parte, frequentemente, dos interesses econômicos do capital seja de onde ele for, e as vítimas são sempre a população vulnerável, em todo o planeta.

Clique aqui

Conversamos ainda nesta manhã a difícil situação do planeta, de todo o sistema jurídico-político com repercussões à escola…

No entanto vejamos a melhor escola camponesa do Brasil. Vamos visitá-la?

clique aqui


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *