Menu

IMPERDÍVEL VÍDEO ACERCA DE MARAIWTSÉDÉ

Nenhum Comentario
A invasão de Marainwatsede

A invasão de Marainwatsédé

Entrevista distribuída pelo CIMI-MT, cujo vídeo mostra dois jornalistas preocupados não com “as crianças que aparecem nos jornais chorando” mas a entrevista toma um rumo denunciante, a preocupação com as crianças não parece ser o tema central da entrevista com Paulo Maldos. Não deixe de ouví-la no vídeo.

A Jornalista diz:
“Pois é, Paulo, mas não são só pequenos agricultores que residem nesta comunidade, existem sete mil pessoas e alguns que são grandes produtores, professores e comerciantes, é uma comunidade que está naquela região e aí existe uma estratégia para responder a uma pequena parcela (os pobres) ,e o restante, faz o que, vai prá onde?”

Ficou muito claro não apenas pelos desconforto corporal da jornalista que tinha um difícil missão, usar do sofrimentos do pobres para defender os ricos. Paulo Maldos esclarece que as pessos pobres, lavradores, estão recebendo senha para acesso a realocação inclusive no município de Ribeirão Cascalheira que tem contiguidade com o lugar onde estão, com lote, habitação, inscrição no programa de apoio à agricultura, incentivos (coisas que esta população não tem em Marawintsédé), e, portanto que o governo está utilizando de políticas públicas para tirá-los da condição de miséria em que se encontram em Maraiwtsédé. Isso não interessou à jornalista, portou-se como porta voz do grupo dos grandes produtores. 

Ora, eles não entraram na área de má fé. Foram eles precisamente que roubaram o território Xavante,utilizando o avião acima fotografado para retirarem os Xavante, do seu território imemorial!

Paulo Maldos esclarece e desmente a jornalistadisse:

“A equipe que está andando lá, com oficiais de justiça, acharam há alguns dias atrás apenas em torno de 204 pessoas, e  tudo está registrado, com uso de tecnologia GPS.”

Maldos ainda informou:

“… foram encontradas 204 pessoas… este número sete mil está fora da realidade… Até dias atrás não chegaram a sessenta estruturas… como posse ou instalação… “

O fato é que o tempo do jornal acabou rápido. Talvez as informações não ajudaram muito ao objetivo da emissora. Tenho pensado que não é impossível que durante este processos a população tenha inchado área com população antes não residente, para blindar Suiá-Missú?

Veja o video abaixo:


Veja o envenenamento dia 14 de novembro das águas dos Kaoiwá-Guarani vídeo feito por celular
http://gempo.com.br/portal/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *